Seguidores

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

♥ 57 ª semente: vem da Flor de Jasmim... ♥

A amoreira altiva serena raízes fincadas no tempo prenhe de doçuras vermelhas balança os longos braços acenando ao sol que cochila no poente. Descalça a brisa pisa na terra úmida e chega perto como fazer um blog de um sapo luzidio que olha fixamente o nada. Agregada ao cenário da tarde permaneço imóvel por longos momentos enquanto me enrosco toda no cipoal dos pensamentos... Shirley Brunelli Crestana

Caminhando por aí
olho, admiro e sinto.

O sentido da vida 
está na importância das coisas simples.



A amoreira altiva serena raízes fincadas no tempo prenhe de doçuras vermelhas balança os longos braços acenando ao sol que cochila no poente. Descalça a brisa pisa na terra úmida e chega perto como fazer um blog de um sapo luzidio que olha fixamente o nada. Agregada ao cenário da tarde permaneço imóvel por longos momentos enquanto me enrosco toda no cipoal dos pensamentos... Shirley Brunelli Crestana
A amoreira altiva serena raízes fincadas no tempo prenhe de doçuras vermelhas balança os longos braços acenando ao sol que cochila no poente. Descalça a brisa pisa na terra úmida e chega perto como fazer um blog de um sapo luzidio que olha fixamente o nada. Agregada ao cenário da tarde permaneço imóvel por longos momentos enquanto me enrosco toda no cipoal dos pensamentos... Shirley Brunelli Crestana
A amoreira altiva serena raízes fincadas no tempo prenhe de doçuras vermelhas balança os longos braços acenando ao sol que cochila no poente. Descalça a brisa pisa na terra úmida e chega perto como fazer um blog de um sapo luzidio que olha fixamente o nada. Agregada ao cenário da tarde permaneço imóvel por longos momentos enquanto me enrosco toda no cipoal dos pensamentos... Shirley Brunelli Crestana
A amoreira altiva serena raízes fincadas no tempo prenhe de doçuras vermelhas balança os longos braços acenando ao sol que cochila no poente. Descalça a brisa pisa na terra úmida e chega perto como fazer um blog de um sapo luzidio que olha fixamente o nada. Agregada ao cenário da tarde permaneço imóvel por longos momentos enquanto me enrosco toda no cipoal dos pensamentos... Shirley Brunelli Crestana
A amoreira altiva serena raízes fincadas no tempo prenhe de doçuras vermelhas balança os longos braços acenando ao sol que cochila no poente. Descalça a brisa pisa na terra úmida e chega perto como fazer um blog de um sapo luzidio que olha fixamente o nada. Agregada ao cenário da tarde permaneço imóvel por longos momentos enquanto me enrosco toda no cipoal dos pensamentos... Shirley Brunelli Crestana

9 comentários:

  1. Bom caminhar olhando e sentindo a natureza.
    Bom dia!

    ResponderExcluir
  2. Uma simplicidade que para nós se torna deslumbrante diante
    dos nossos olhos.
    Adorei essa semente Chica.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde Chica,
    Linda semente plantada aqui.
    Também sinto assim, cada vez mais...
    Beijinhos,
    Ailime

    ResponderExcluir
  4. É isso mesmo minha amiga, olho, admiro e sinto a simplicidade de uma beleza infinita.

    Beijinho

    ResponderExcluir
  5. Lindo olhar da Flor de Jasmim nesta sensibilidade que faz poesia com reflexão sobre o que realmente vale nesta vida.
    Uma semente bela e perfeita para o canteiro.
    Duplo abraço.

    ResponderExcluir
  6. Sábias palavras.. e uma linda semente de se apreciar...
    Adorei!!! Beijinhos
    Bom fim de semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  7. As coisas mais simples são as mais preciosas! Nelas encontramos raras belezas...
    Semente boa!
    Por toda parte há "simplicidades" espalhadas e aguardando olhares...
    Bj

    ResponderExcluir

♥ Ficamos felizes em ver vocês por aqui! Obrigadão! ♥