Seguidores

segunda-feira, 21 de março de 2016

♥13ª semente: vem da Tais Luso ♥


UM AMOR VISTO DA JANELA 

Pouco se fala das coisas bem simples, mas que estão aí e fazem parte diária da nossa vida. São tão simples que ninguém dá bola.


Há uns dias, desceu um aguaceiro por aqui, daquelas chuvas que vem rápido, e como chega já vai indo... Mas assusta. Foi forte e pegou muita gente desprevenida. Nada é engraçado se tratando de enchentes, deslizamentos e catástrofes que a natureza impõem. Mas observando uma chuva dessas, vindo sem avisar e vendo as atitudes apressadas das pessoas, na tentativa de se protegerem, não deixa de ser curioso e por vezes engraçado. As árvores, que também sempre enlouquecem, deixam qualquer quadro mais caótico.


Fiquei na janela observando aquela chuva tocada a vento e me senti como um cachorro perdigueiro, com todos os sentidos em alerta. Uma moça, já com os pés e roupas encharcadas, tentava proteger a cabeça com um lencinho azul, aberto e sustentado pelas duas mãos no alto da cabeça. Fiquei olhando enquanto pensava naquele ato estranho. Observei como é instintivo no ser humano proteger a cabeça. Deve ser isso, não vejo outra razão, uma vez que a chuva descia sem piedade e a mulher parecia um submarino.


Logo atrás, houve um pedido de carona pra dividir um guarda-chuva – que mal dava pra um. Mas houve solidariedade com a mulher de saia longa. As árvores estavam aflitas, soltando suas flores e sementes redondas que cobriam o chão, preparando, sem piedade, alguns tombos aos desavisados. A mulher de saia longa resvalou como se estivesse pisando numa casca de banana. A imensa saia parecia um abajur, subiu... lógico que comecei a rir da situação. Coitada. E eu aqui, com vontade de avisar que o negócio lá estava tipo tobogã... Uns, correndo desatinados, enquanto uma senhora de bengala não tinha alternativa. Que agonia.


Um pouco à frente, dois velhinhos bem abraçados, tão enrolados que eu não consegui ver quem protegia quem. Mas seguiram, enrolados como duas serpentes... bonito de ver aquilo. Senti de longe um amor protetor, preocupado e solidário. Ali, fiquei com pena. Pensei baixinho: amor assim não deveria acabar... Segui seus passos até desaparecerem entre as árvores da minha rua.


A balburdia dos carros, a impaciência dos motoristas, as buzinadas, a falta de gentileza... tudo muito neurótico. Naquela hora, ninguém era de ninguém, e a rua, sempre dos mais poderosos, dentro de seus carros. Quanta diferença pude ver!


Mas no caos, sempre se descobre algo especial.

Amanhã esquecerei de tudo, menos dos velhinhos da minha rua que exalavam um amor maduro. Só de olhar aquilo, valeu minha manhã.


Tais Luso


* Em tempos de tantas agitações, ler algo assim faz bem!

13 comentários:

  1. Chica!!! Mas que surpresa, guria! É uma honra estar no teu blog e ter um texto escolhido. Espero que teus leitores gostem. Começar uma segunda-feira ouvindo o cenário político brasileiro não é uma das melhores coisas... Desanima. Agora abri os e-mails e a surpresa!
    Muito obrigada, querida! Uma boa semana.
    Um beijo!

    ResponderExcluir
  2. Um texto muito lindo dessa minha nova seguidora Tais Luso.
    Gostei bastante.
    Bjs Chica a você e a essa nova amiga.
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  3. Chica...o caos instala_se sempre que o tempo vira vendaval!
    Há que prevenir para que não aconteça o pior!
    Bj amigo

    ResponderExcluir
  4. Chica...o caos instala_se sempre que o tempo vira vendaval!
    Há que prevenir para que não aconteça o pior!
    Bj amigo

    ResponderExcluir
  5. Chica,
    Vim para conhecer o seu novo blog, para segui-lo e para ler a bela crônica da Taís. Gostei do blog e da poética crônica da Taís. Parabéns a vocês duas.
    Uma boa semana.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  6. Que delícia o texto da Tais! Devorei! Um encanto as observações dela! Parabéns pela sua escolha, Chica! parabéns à Tais pela destreza escrita!

    ResponderExcluir
  7. Boa tarde, querida chica!
    Ler algo assim nos estimula a sermos melhores... a não desanimarmos com as pessoas...
    Bjm muito fraterno

    ResponderExcluir
  8. Mais um texto delicioso da Tais, que adorei ler!...
    Sem dúvida, uma lindíssima semente por aqui... de talento e qualidade de seus textos... que aprecio imenso!
    Beijos para ambas! E votos de boa semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  9. Adorei ler a Tais aqui!
    Um olhar atento, de quem valoriza as coisas simples e pode ver poesia em cada gesto do cotidiano.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  10. Um texto macio de se ler... Tantas observações e sentimentos fluindo. O amor é lindo e acolhedor! Contemplações que se tornaram uma bela semente lançada aqui...
    Abraços

    ResponderExcluir
  11. Uma crônica muito gostosa de ler; aliás, os textos e crônicas da Tais oferecem sempre uma agradável leitura.
    Olhares atentos e sensíveis enxergam além do que se vê.

    Beijo às duas.

    ResponderExcluir
  12. A Taís tem um jeito especial de olhar para o cotidiano e sempre nos oferece uma cronica destas que a gente se delicia e passa a ter o olhar dela.Eu admiro estes cronistas atentos aos movimentos das ruas e deles criam belos momentos.
    Parabens pela seleção de uma de suas belas criações.
    Um duplo abraço.

    ResponderExcluir
  13. Boa noite, queridas!
    Observar atentamente tudo e todos só nos traz inúmeros benefícios... Lindo demais!
    Excelente Tríduo Pascal às duas!
    Bjm muito fraternal à ambas

    ResponderExcluir

♥ Ficamos felizes em ver vocês por aqui! Obrigadão! ♥